.Tomaram café ..


windows 8 registry tweaks

.mais sobre mim

.Coisas que escrevi:

. ...

. Estafadêra...

. ...

. Lição de Inglês - Nº. 3

. Enfardar

. Felicidade

. Bacalhau escondido à minh...

. As velhotas na missa

. Dúvida do dia.

. A Vingança

.arquivos

. Setembro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

Terça-feira, 3 de Outubro de 2006

Os Cabaneiros

O cabaneiro é um termo usado na minha terra para designar alguém que é uma mistura de cusco, alcoviteiro, chato e maldizente.

Posto isto, anotem que uso o termo na masculino, porque também há as cabaneiras, mas os cabaneiros batem-nas aos pontos.

O cabaneiro é aquele tipo que é tão cheirão, mas tão cheirão que anda a ter conta na vida alheia mais do que tem conta na sua.. e eu sei dum caso verídico que vos vou contar e que bem ilustram isso. Portanto, perdoem-me o cabaneiredo, mas não resisto..

Numa aldeia aqui das redondezas começou a constar-se que fulana andava a pôr os cornos ao marido. Este, coitado, conforme é mais ou menos usual, de nada sabia. Mas os cabaneiros sabiam (eles sabem tudo). Ora, vai daí, três cabaneiros particularmente afincados na tarefa de vasculhar a vida alheia, dedicaram-se de corpo e alma a seguir todos os passos da dama.

Acontece que o marido traído trabalhava o turno da noite, o que deixava à infiel esposa o serão livre para estar com o amante. Aquilo era um autentico festim para os cuscos.. Cada passo, cada encontro, cada prevaricação era seguida atentamente. Novidades, movimentações e detalhes eram trocados entre os três com grande entusiasmo e alegria.

Acontece é que parte do prazer que um cabaneiro obtém da sua actividade reside na divulgação da informação. Ou seja, não lhes basta andarem a meter o nariz onde não são chamados: eles adoram espalhar a boa nova, partilhar com o mundo..

E adoram gozar. Deliram. Sempre que encontravam o marido traído deliciavam-se a mandar umas piadas aparentemente inofensivas, e trocavam risinhos maliciosos entre si. E trataram de se encarregar que a aldeia inteira soubesse dos acontecimentos.

Enquanto os três cuscos recolhiam dados e divulgavam, uma alminha caridosa e discreta tratou de pôr o marido enchifrado ao corrente da situação. Sendo um homem educado, ele não se descoseu..fingiu que de nada sabia, tratou de pôr alguns assuntos de ordem económica em ordem (vulgo, despejou a conta bancária conjunta para que a mulher não lhe pudesse desonrar também a carteira) ..e dedicou-se ele próprio a algum cabaneiredo... e descobriu uma coisa muito interessante!

Num domingo de manhã estavam os homens da terrinha reunidos no café, a fazer as coisas que os homens costumam fazer nos cafés de aldeia enquanto a mulher faz o almoço (jogar à sueca, ao dominó e cabaneirar), quando o marido traído entrou.  Fez-se  silencio, todos o olharam.. uns com um misto de piedade no olhar, outros com um sorriso maldoso a bailar nos cantos da boca. O homem não perdeu a calma...

- Então amigos..calaram-se ? Falavam de quê ? ...De mim? Da minha mulher?

O mais atrevido dos 3 cabaneiros não resistiu.

- Por acaso sim! Olha pá, toda a gente sabe que a tua mulher te anda a pôr os cornos ! Ainda ontem à noite a vimos no carro com o moina. E foram para a casa dele! Não creio que fossem trocar receitas de culinária.

Houve uma explosão generalizada de risota. Mas o homem continuou calmo..

E foi com imensa satisfação que informou o cabaneiro que enquanto este andava ocupado a vigiar a traidora..a mulher dele aproveitava para meter o vizinho lá em casa..E certamente não seria para trocarem receitas de culinária.

Moral da história: Todos temos telhados de vidro, convém não atirar pedras.

Outra moral da história: Antes de veres se as unhas do teu vizinho tem lixo, verifica se as tuas estão bem limpinhas.

Moral mais importante da história: Vive e deixa viver.

sinto-me:
música: Senza la donna - Zucchero

escrevinhado por Mikas às 12:35

link do post | Diz-me o que pensas | favorito

2 comentários:
De PrincessFabiana a 19 de Outubro de 2006 às 23:04
eu propria nao diria melhor mikinhas maria... é habito comum e mortal as pessoas meterem-se mais na vida dos outros do ke cuidarem das proprias! Depois acontece disto !!! Enfim....... vivam e deixem viver

jinhos Ana


De solnascente a 9 de Novembro de 2006 às 12:29
Pois entendi-te,mas não conheço o gajo da foto,isso de cabaneiro é da tua terra pois,vivem nas cabanas.
Cusco é uma cidade do peru.
Lógica: Andas a chamar peru ás pessoas
Vou limpar as unhas,fica bem,gostei.
solnascente


Comentar post

.subscrever feeds