.mais sobre mim

.Coisas que escrevi:

. ...

. Estafadêra...

. ...

. Lição de Inglês - Nº. 3

. Enfardar

. Felicidade

. Bacalhau escondido à minh...

. As velhotas na missa

. Dúvida do dia.

. A Vingança

.arquivos

. Setembro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Viver a Gosto

 

Por vezes é bom deixarmo-nos ir na loucura, soltar o cabelo e esquecer as amarras. É bom por vezes agir por impulso, descalçar os sapatos e sentirmo-nos livres. Por vezes sabe bem provar o que bem nos sabe, apenas porque nos sabe bem. Fechar os olhos e sentir o gosto do fruto que até está ao nosso alcance mas que raramente provamos  por termos antecipadamente determinado que era proibido..
Sabe bem, sim.
Por vezes devemos ter a inconsciência de outros tempos. Fazer e sentir sem pensar duas vezes, sem nos impormos regras que nem fomos nós a criar, mas que foram criadas e nos foram impostas pela “sociedade”.
Devemos, por vezes, deixar tombar a hipocrisia do “parece-mal”  ou o que vão dizer se souberem. Que digam, que pareça mal… desde que a nós nos saiba bem e nada de mal tenhamos a dizer.
Com o tempo a passar, alguns de nós perdemos a espontaneidade e tornamo-nos demasiado sérios. A capacidade de brincar vai desaparecendo e cada regra que fixamos é menos uma papila gustativa da vida que temos. Somos velhos antes do tempo. Matamos a nossa audácia jovial  a cada negação  da alegria da vida..
 
Sim, há coisas boas na vida, há momentos bons, há companhias maravilhosas. .
Não precisamos de muito para sermos felizes, mas… cada dentada que damos na vida tem de estar liberta dos fios de corda amarga que nos prende a autenticidade.
 
Boa semana ..*

 

sinto-me:
música: Radio Comercial

escrevinhado por Mikas às 15:44

link do post | Diz-me o que pensas | favorito

2 comentários:
De mil sorrisos a 22 de Setembro de 2008 às 20:41
Sabes, a Laura fez-me voltar aos tempos em que a simplicidade e a genuidade das coisas e dos gestos era uma realidade - o tempo de criança. Com ela sinto-me assim como descreves, como todos nos deviamos sentir... Pena que, noutras circunstâncias, a postura exigida não nos deixe espaço para esta liberdade.
Beijos e Mil Sorrisos
:o))))))


De toda a 22 de Setembro de 2008 às 22:51
E falar cu Canja tambem é bom!

Uma grande beijoca, mulher dizedora de grandes verdades!


Comentar post

.subscrever feeds