.mais sobre mim

.Coisas que escrevi:

. ...

. Estafadêra...

. ...

. Lição de Inglês - Nº. 3

. Enfardar

. Felicidade

. Bacalhau escondido à minh...

. As velhotas na missa

. Dúvida do dia.

. A Vingança

.arquivos

. Setembro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Agradecimento às minhas Amigas

 

Tenho um pequeno núcleo familiar extremamente unido e apoiante, e talvez por isso, não tenho muitas pessoas a quem chame “amigo”. De facto, são muito poucos.
O que escrevo neste texto não se destina às  pessoas que são amigas e vizinhas, pois a essas eu posso dizer o que quero dizer, olhos nos olhos. 
Esta pequena lembrança é para umas amigas, maravilhosas amigas, que eu tenho, e que moram longe.
Por coisas que se passaram, sei que não tenho sido boa companhia nestes últimos tempos. Sei que a minha tendência é retroceder para dentro de mim e falar menos, mas isso sempre foi assim. 
Passei muitos anos a ter de lidar sozinha com os problemas, e habituei-me a resolver as coisas por mim mesma, sem grandes desabafos.
Por outro lado, sou exímia a ouvir os problemas dos outros e tentar animar. Sou paciente e tento transmitir alento e força. E acho que sou boa conselheira. Acho que sou, sim..
Eu sei que vocês – especialmente tu Teresa, Mané e  mais recentemente a Dulce – estão sempre a deitar-me um olho, tenho consciência disso. A Teresa com o seu espírito prático e a capacidade de saber o que eu penso sem eu ter de falar sequer ( cotas do crl.. até completam as frases uma da outra). A Mané que só me mima com as lembranças, as flores, as músicas, os beijinhos na minha cara de boneca chorona. A Dulce que é uma companheira discreta, com quem falo todos os dias ao telemóvel, e me ajuda a pensar noutras coisas.
Não vou mencionar os nomes de outras pessoas queridas .. elas sabem quem são .
Enfim, o que eu queria mesmo dizer é que sei que não tenho sido boa companhia nestes últimos tempos mas….. a velha Maria continua cá. As bases da pessoa continuam a ser as mesmas. É só darem-me tempo para pôr tudo em devida ordem e voltar a ser a optimista que sempre fui.
E o que de mais importante eu queria dizer é que sou profundamente grata pelo vosso carinho, cuidado e amizade. E agora calo-me senão isto vira lamechice.
Beijos.
Ah ! Um conselho para quem o queira: Quando andares na boa, in love, na mó de cima, todo feliz, noutra  onda -  nunca, mas nunca te desligues dos amigos. Lembra-te que a boa pode virar má, o love pode acabar, a mó de cima pode virar mó de baixo , a felicidade pode findar e a onda que era boa pode tranformar-se em tsunami e lixar-te. E mesmo assim, os teus verdadeiros amigos vão estar lá para ti, pelo bem e pelo mal. Lembra-te disso.

 


escrevinhado por Mikas às 16:11

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.subscrever feeds